Na Mochila

Crianças também podem (e devem!) meditar. Veja como


Prática milenar, a meditação está cada vez ganhando mais adeptos no mundo inteiro. Mas não são só os adultos os principais beneficiados: a prática vem crescendo também nas escolas públicas e privadas do país. A partir dos 3 anos já é possível ensinar a criança a meditar e proporcionar a ela uma maior consciência corporal. A meditação também fortalece a autoestima, melhora a concentração e a memória, a qualidade do sono, a relação com os pais e outros coleguinhas, entre muitos outros benefícios.

Uma das instrutoras dessa prática, a Daniela Degani, da MindKids, explica que os pais podem incentivar a criança a dedicar alguns minutos do dia para meditar, e dá algumas dicas sobre como iniciar esse processo, que será bastante prazeroso para a família inteira.

1) Preparação
Cantinho da meditação ¿ Uma dica interessante é escolher um lugar da casa para ser o "cantinho da meditação". Apenas um espaço em que as crianças se sintam bem, onde seja possível sentar no chão sobre uma almofada. Usar o mesmo "cantinho" para a prática da meditação ajuda a criar o hábito.
Conectando com o coração ¿ Antes de fazer as práticas com as crianças, tome uns minutos para inspirar e expirar profundamente algumas vezes, para ir relaxando corpo e mente. Faça um trato consigo de deixar as preocupações, e-mails, listas de coisas a fazer para 15 minutos mais tarde e conecte-se com sua motivação para meditar com a criança: "gostaria que ele pudesse se acalmar" ou "gostaria que ele sentisse o silêncio" ou "gostaria que ele desenvolvesse a capacidade de concentração" ¿ seja qual for seu motivo, cultive uma boa intenção, sem expectativas, de coração aberto.

2) Explicação e postura
 
Crianças bem pequenas podem entender os conceitos básicos da meditação, se explicados de maneira breve, com carinho e simplicidade. Algumas sugestões:

- "A meditação ajuda a gente a prestar atenção no que está acontecendo agora"

- "Também pode nos ajudar a acalmar quando estamos bravos"

- "Ajuda a sermos mais felizes e ter melhor desempenho na escola e nos esportes."

Posição de meditar ¿ Uma postura bem bacana para fazer as atividades de meditação é sentados de "indiozinho", sobre o chão ou uma almofada, com a coluna reta e mãos sobre os joelhos. Sente-se você na postura, confortavelmente, sem estresse, e convide a criança a sentar-se na "posição de meditar" também. Nas primeiras vezes, é normal que os pequenos se mexam muito. Não se preocupe ¿ seja você o exemplo, ao deixar seu corpo repousar calmo e relaxado. Com o tempo, as crianças vão relaxando também.

3) Três sugestões de meditação lúdicas e divertidas

1. Meditação da borboleta: diga às crianças que as borboletas gostam muito de sentir a respiração das crianças. Convide a criança a imaginar uma borboletinha pousando em seu nariz, ela só quer sentir a sua respiração! Mas as borboletas se assustam facilmente, então temos que ficar com o corpo tranquilo, relaxado, só respirando, imaginando que estamos ajudando a borboletinha a se acalmar. Depois de um tempinho, que pode ser uns 30 a 40 segundos, a borboletinha pode voar para o peito, barriga e outras partes do corpo, de acordo com interesse da criança.
2. Meditação da lagarta: antes de ser borboleta, nossa amiga imaginária foi uma lagarta. Coloque a mão esquerda virada com a palma para cima e o indicador da mão direita no centro da palma. Nosso dedo indicador direito é a lagarta e ela vai caminhar até a ponta de cada um dos dedos da mão esquerda, inspirando, e retorna ao centro a cada vez, e expiramos. Oriente a criança para prestar muita atenção nos movimentos da "lagarta", nas sensações que isso traz e em sua respiração.
3. Vamos colocar o "boneco/bicho de pelúcia/Super-Homem" para dormir? Essa prática é boa para fazer à noite, antes de dormir. Deite a criança com seu personagem favorito sobre sua barriga e diga a ela para "niná-lo" com os movimentos de sua respiração. Podemos explicar que respirações profundas ajudam a gente a diminuir a agitação e ter um sono tranquilo.
 
Por Lucy De Miguel, jornalista especializada em Primeira Infância, autora do Blog Na Mochila e empreendedora social.
lu@namochila.com